Notícia publicada em 11/11/2019 - 17:33:44 | JI-PARANÁ - POLICIAL

 

CASO HAVAN – Três vereadores podem acabar com sonho de centenas de trabalhadores, em Ji-Paraná

 

Em meio a uma crise no setor industrial de Ji-Paraná onde empresas grandes estão fechando e deixando centenas de trabalhadores desempregados, surge uma esperança. A instalação da Havan na cidade, gerando mais de 300 empregos diretos e indiretos.

 

Só que o sonho está se tornando pesadelo na vida de milhares de jiparanaenses por causa de três vereadores que estão “emperrando” os trâmites legais, atrasando e, talvez, extinguindo a construção da nova empresa na cidade.

 

 

ENTENDA O CASO


Para você cidadão contribuinte, pagador de impostos e para você trabalhador que está esperando a tão sonhada instalação, a reportagem do Site Comando190 foi atrás da verdade e descobriu que três vereadores, sendo eles, Wellington Negão, Edilson Vieira e Jessé, membros da CCJ, Comissão de Constituição e Justiça de Ji-Paraná, estão atrasando todo o trâmite legal para a construção e instalação da Havan em nossa cidade.

 

Como fizeram no Projeto da construção do Atacadão, o mesmo grupo de vereadores pediram para analisar novamente todo o Projeto da Havan, pois eles encontraram algumas supostas irregularidades na papelada e estão revendo todo o processo.

 

 

 

UMA RUA MORTA POR CENTENAS DE EMPREGO


A área escolhida pelo mega empresário Luciano Hang para a construção da HAVAN, em Ji-Paraná, fica localizada na Avenida Transcontinental, no antigo “Circuito.com”, ao lado da Tigrão Veículos, no 1º Distrito, compreendendo em uma área de 24 mil metros quadrados, sendo 7 mil metros de construção.

 

 

Só que o Projeto de construção afetaria uma rua “morta” existente nos fundos do terreno, que leva à beira do igarapé Dois de Abril.

 

Dessa forma, o mega empresário solicitou, junto ao Poder Municipal, a “DESAFETAÇÃO” do trecho de quase 2 mil metros, que seria recompensado ao município em outro local. Resumindo, o empresário compraria o trecho da RUA MORTA da prefeitura, que custa mais de R$ 1 milhão de reais e indenizaria o município com um terreno do mesmo valor em outra localidade.

 

 

DESAFETAÇÃO: trata-se da manifestação de vontade do Poder Público mediante a qual um bem é subtraído do domínio público para ser incorporado ao domínio privado do Estado ou do particular.

 

 

 

 

TRAVAMENTOS E INTERESSES PARTICULARES


 

Prontamente, o proprietário do terreno montou um projeto e encaminhou rapidamente à Prefeitura. Assim que recebeu o projeto, em menos de 03 dias, o Prefeito Municipal Marcito Pinto, deferiu o pedido e encaminhou para à Câmara Municipal de Vereadores para aprovação em plenário.

 

Logo que chegou na Câmara, a maioria dos vereadores se mostraram entusiasmado com o novo Projeto que gerará mais de 300 empregos na cidade e pediram para ser colocado logo em votação, para a aprovação. Só que neste interim, os membros da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), vereadores Wellinton Negão, Edilson Vieira e Jessé, encontraram supostas irregularidades, que não foram encontradas por membros da equipe do Prefeito e tão pouco pelos 14 vereadores que analisaram rigorosamente todo o processo, e estão “emperrando” o trâmite, atrasando a negociação do terreno e desestimulando o mega empresário Luciano Hang a construir o mega empreendimento em Ji-Paraná.

 

Fontes internas do grupo empresarial já estão cogitando o cancelamento da construção em Ji-Paraná e estão mudando o foco para a cidade de Ariquemes, onde foram recebidos de braços abertos por todos os membros do Poder Municipal.

 

Procurados pela redação do site comando190, os três vereadores não quiseram se manifestar sobre o caso.

 

 

 

ATENÇÃO SR(s) INTERNAUTAS

 

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se

prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

 

Publicidade

 

 

 

Publicidade

 

Comentários

 

 

Home Notícias Vídeos Classificados Fale Conosco Curiosidades